segunda-feira, 27 de julho de 2015

Como se defender de um ataque de cachorro




Procure por sinais de alerta. A maioria dos cães não está agressiva, mas apenas curiosa ou defendendo o que percebe como seu território. Assim, para evitar conflitos desnecessários, é importante ser capaz de dizer se um cachorro só está brincando ou se está sendo hostil de verdade. Embora algumas raças tenham sido destacadas como particularmente ferozes, qualquer cão de porte médio ou grande pode ser perigoso, por isso não ignore sinais de alerta só porque pensa que certa raça é inofensiva ou amigável. Observe os sinais comuns de agressividade (ou ausência dela)
Rosnar e mostrar os dentes são sinais óbvios de agressividade e devem ser tratados dessa forma.
Um cachorro bravo pode exibir a parte branca do olho, especialmente se esta não ficar visível normalmente.
As orelhas puxadas para trás e deitadas contra a cabeça são um sinal famoso de ferocidade, enquanto orelhas elevadas ou caídas geralmente indicam desinteresse.
Se um cão se aproximar com o corpo relaxado e uma curva no dorso, ele provavelmente não vai atacar.
Um cachorro com o corpo tenso, reto e duro (com a cabeça, os ombros e os quadris alinhados) pode estar caçando briga.
Um trote tranquilo significa que o cachorro está de bom humor e apenas checando você. Uma corrida constante quer dizer que ele pode ser perigoso.
Evite irritar um cão. A maioria dos ataques é resultado de falta de controle sobre o cachorro, treinamento ruim ou provocação. Infelizmente, o mundo nunca estará livre de donos ruins, por isso é melhor se preparar. O senso comum lhe diz para nunca provocar nenhum animal.
Nunca mexa com um cachorro que está comendo ou cuidando dos filhotes. Eles se tornam superprotetores durante esses momentos.
Evite sorrir para o animal. Você pode achar que está parecendo amigável com um sorrisão cheio de dentes, mas um cão agressivo verá você mostrando os dentes para uma briga.
Aqueles que estão presos ou amarrados a um objeto parado por muito tempo tendem a ficar mais agressivos, por isso não entre no alcance deles.

Repelindo um ataque












Não entre em pânico. Há alguma verdade naquele velho ditado que diz que os cães e outros animais podem "sentir o medo". Se você ficar agitado e correr ou gritar, pode deixar o animal mais confiante no seu ataque ou, pior, pode parecer ameaçador para ele. Nenhuma das duas situações será boa.
Fique rígido e parado. Quando um cachorro se aproximar, fique totalmente parado com as mãos ao lado do corpo, como uma árvore, e olhe para outra direção.Em muitos casos, o animal perderá o interesse e irá embora se for ignorado.
Não sacuda os braços ou chute; o cão pode entender essas ações como ameaças.
Não faça contato visual, pois isso também pode levar o cachorro a avançar.
Fique de lado em relação ao animal e mantenha-o na sua visão periférica, em vez de encará-lo. Isso sinalizará ao cachorro que você não é uma ameaça.
Não estenda as mãos e os braços até um ponto em que estejam vulneráveis a uma mordida. Mantenha os dedos enrolados em punhos para evitar que eles sejam mordidos. O cão pode chegar bem perto e até cheirar você sem mordê-lo.
Não tente correr. Isso pode despertar o instinto predatório do animal de caçar e pegar. Ele pode persegui-lo com vigor, mesmo que a intenção inicial fosse apenas de brincadeira. Além disso, você não será capaz de correr mais do que a maioria dos cães se estiver a pé. Ainda que esteja de bicicleta, muitos cachorros serão capazes de alcançá-lo.
Distraia o cão com outro objeto. Se ele continuar a ameaçá-lo, ofereça algo que ele possa mastigar, como sua mochila ou uma garrafa de água: qualquer coisa, menos o seu braço ou a sua perna. Isso pode distraí-lo por tempo suficiente para que você possa escapar.
Você também pode levar petiscos ou brinquedos quando for passar em locais onde sabe que há cães perigosos. Se um deles se aproximar, jogue o petisco ou o brinquedo para longe de você. O cão pode ir atrás deles.
 Defendendo-se e protegendo-se
Olhe para o cachorro e ordene "vá embora". Se ele continuar a se comportar de maneira agressiva e ignorar ou tentar acalmá-lo não estiver mais funcionando, vire-se para ele e ordene que se afaste.
Use uma voz de comando forte, profunda e confiante.
Continue evitando o contato visual.
O cachorro pode se sentir desencorajado ou intimidado e ir embora.
Lute contra um cão que ataca. Se o cachorro começar a morder você, será necessário se defender. Acerte ou chute o cão na garganta, no focinho e na parte de trás da cabeça. Isso vai atordoá-lo e dar a você tempo para fugir.
Pode levantar a voz nesse ponto e chamar por socorro enquanto briga. Com sorte, outras pessoas ouvirão e virão ajudar. No entanto, evite gritar, pois isso pode levar o cão a reforçar o ataque.
Se tiver uma vara ou outra arma, você pode (e deve) usá-la para acertar o cachorro. Porém, não bata no topo da cabeça dele; a maioria dos cães tem crânios bem duros, de forma que isso só vai deixá-los mais bravos.
Lute como se sua vida dependesse disso, já que depende mesmo. Ataques de cachorros podem ser fatais. Embora você com certeza não queira machucar um cão sem necessidade, deve usar a força se for obrigatório, já que está sendo atacado de forma severa.
Use seu peso a seu favor. Coloque seu peso todo sobre o animal, especificamente ao empurrar usando as partes duras dos seus joelhos e cotovelos. Os cães são mordedores ferozes, mas não sabem brigar com o corpo, por isso tente ficar numa posição vantajosa e quebrar os ossos dele rapidamente. Suba no cachorro e concentre sua força em áreas como a garganta ou as costelas, lembrando-se ao mesmo tempo de manter seu rosto longe do alcance das mordidas ou de arranhões.
Se estiver procurando por uma solução mais humana e puder fazer isso, monte nas costas do cão usando parte do seu peso e aplique pressão para frente na parte de trás do pescoço dele para imobilizá-lo até que a ajuda chegue.
Proteja o rosto, o peito e a garganta. Se cair durante o ataque, não só será mais difícil lutar contra o cão, mas áreas vitais do seu torso, da cabeça e do pescoço ficarão mais vulneráveis. Esses são os pontos do seu corpo mais importantes de proteger, pois as mordidas nesses locais causarão o maior dano e terão mais chance de matá-lo.
Proteja os pontos vitais enrolando o corpo, colocando os joelhos para dentro e levando as mãos (fechadas em punhos) até as orelhas.
Resista ao impulso de gritar ou rolar, pois isso pode encorajar ainda mais o cão.
Deixe o lugar lentamente e com cuidado. Depois que o cachorro perder o interesse em você, saia do local do ataque devagar, saindo sem movimentos súbitos. Permanecer calmo e parado pode ser um teste para os nervos numa situação tão estressante como essa, mas é a melhor coisa a fazer desde que o cão não o esteja mordendo de verdade.







Lidando com o depois

Trate das feridas. Se tiver sido mordido, cuide dos machucados assim que puder, pois mesmo as mordidas menores podem infeccionar. Siga procedimentos básicos de primeiros socorros para tratar as mordidas de um ataque por cães:
Aplique um pouco de pressão para parar os sangramentos leves. Use um pano limpo ou uma gaze esterilizada. Se o sangramento for sério ou não parar depois de vários minutos de pressão, procure um médico.
Lave bem a ferida usando água morna e sabão.
Cubra o machucado com um band-aid (para cortes bem pequenos) ou ataduras esterilizadas para as lacerações maiores.
Procure por sinais de infecção, incluindo vermelhidão, calor, aumento da sensibilidade ou presença de pus. Vá a um médico se algum desses sintomas aparecer.
Chame as autoridades. É importante determinar se um cachorro atacante tem raiva ou um histórico de agressividade. Ligue para as autoridades imediatamente depois de um ataque para que o cão possa ser removido, de forma a não machucar mais ninguém, e para que ele seja testado à procura de doenças.
Se o cão que atacou você era de rua, ele pode atacar outras pessoas também, portanto retirá-lo do local é a melhor maneira de garantir a sua segurança e a de outros.
Caso o cão tenha dono, você é quem decide como lidar com a situação depois do ataque. Se tiver se machucado, pode tomar medidas legais, pois as leis tornam os donos responsáveis pelas ações de seus cães.
Procure um médico imediatamente. Se foi mordido por um cachorro desconhecido, um que mais tarde se descobriu ter raiva ou por um que parecia estar espumando pela boca, é essencial que você procure um médico na hora para obter tratamento preventivo para a raiva, que é mortal.
A sequência de injeções contra ela, se for necessária, deve ser aplicada logo que possível após a mordida.
Muitos países europeus são considerados "livres da raiva", por isso é provável que as injeções não sejam necessárias caso um ataque ocorra nesse continente.
Se não tiver tomado uma dose da vacina contra tétano nos últimos 5 anos, pode precisar de tratamentos preventivos adicionais contra essa doença.
Em geral, qualquer ferida significativa resultante de um ataque por cães deve ser examinada por um médico.


Dicas

Assuma que todos os cães desconhecidos são ameaças. Em geral, o melhor a fazer em relação a ataques por cães é procurar evitá-los em primeiro lugar. Se vir um cachorro que pareça perigoso, fique longe dele.
Reporte os cães que pareçam ferozes ou que não tenham dono na vizinhança para as autoridades.
Ensine seus filhos a nunca se aproximarem de cães desconhecidos até que tenham certeza de que é seguro.
Desconfiando de todos os cachorros desconhecidos até que ache evidências de que eles não são hostis, você pode evitar a maior parte dos ataques.
Se estiver com uma criança pequena e cruzar o caminho de um cachorro grande, pode achar necessário pegá-la no colo. Ao fazer isso, mova-se devagar. Não olhe nos olhos do cachorro, especialmente ao abaixar. Diga à criança para ficar calma e quieta e olhar para você.
Ensine às crianças que elas nunca devem correr, e sim ficarem paradas como uma árvore se encontrarem um cachorro agressivo.
Se estiver de bicicleta, desça dela e deixe-a entre você e o cão. Isso criará uma barreira de proteção. Se o cachorro atacar você (e não apenas latir), use a bicicleta como uma arma, segurando-a pelo guidão e pelo assento e atacando com o pneu. Não a solte, pois se fizer, perderá uma ferramenta de defesa valiosa.
Tente usar um spray para autodefesa. Mire na cara, mas se errar, mesmo assim pode ser o bastante, já que o focinho dos cães é bem sensível. Nesse caso, repita o quanto for necessário até que o cachorro pare.
Os cães podem sentir seu medo, mas também sua determinação de se defender, a não ser que sejam muito agressivos (com raiva, um histórico de abuso ou frustração etc).
Nunca fique de costas para o cachorro; mantenha-o na vista sem olhar para ele diretamente. Não tente parecer mais ameaçador do que o cão ou fazer movimentos bruscos. Mexa-se de forma constante e lenta. Não se aproxime do cachorro ou se afaste até que ele não demonstre mais sinais de agressividade.





Um comentário:

  1. Acho que não tenho jeito para animais agressivos, pelo menos aqueles que os donos sabem e nada fazem.
    O melhor é mostrar quem é quem, como há pessoas também há animais que são agressivos por natureza.
    Boa noite e tudo de bom.

    ResponderExcluir

Estou aqui para agradecer a você...
Sua gentileza por tirar um tempo para deixar um comentário
Muito obrigada sua opinião é importante .

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...