quarta-feira, 26 de agosto de 2015

História linda inglesa adota uma cachorra que salvou ela de ser abusada sexualmente



Georgia Bradley, universitária inglesa de 25 anos, passava as férias na ilha de Creta, na Grécia, quando foi abordada por dois rapazes, que a convidaram para tomar um drink. Houve uma confusão, a moça foi agredida e quase violentada sexualmente, se uma cachorrinha abandonada não tivesse aparecido para afugentar os homens.

A cadelinha, batizada como Pepper, latiu até eles irem embora, assustados. O namorado de Georgia estava em um café nas redondezas naquela hora, e a moça havia resolvido, então, dar uma volta pela praia, quando o ataque aconteceu. 

Pepper seguiu Georgia até o local onde ela estava hospedada. Porém, assustada, não permitia aproximação, ficando ainda mais nervosa. A estudante ainda tentou que um abrigo animal da localidade ficasse com a cachorra, sem sucesso. 

De acordo com o "The Telegraph", ao voltar para a Inglaterra, a jovem decidiu que retornaria à Grécia para adotar Pepper. Georgia só conseguiu realizar seu desejo na terceira viagem a Creta, quando encontrou a cadela no mesmo local do ataque. 

Para conseguir levar o animal para a Inglaterra, Georgia precisou deixá-la em quarentena em canis, vermifugá-la e expedir um passaporte para animais de estimação. Então, uma semana após a chegada, a surpresa: Pepper, que é resultado de cruzamento entre Terrier e Poodle, estava grávida de seis filhotes. 


Filhote de cachorro saiba como educá-los



Quando um filhote ganha um novo lar é preciso ter alguns cuidados ao educá-lo, principalmente pessoas que nunca tiveram um bichinho de estimação. A primeira coisa a fazer é levá-lo ao médico-veterinário para uma primeira consulta e colocar em dia as vacinas e vermifugação. Os cães são animais de matilha e, por essa natureza, necessitam de um líder. Se nenhum membro da casa assumir esse papel, o filhote o assumirá. Portanto, é de suma importância que alguém mostre a ele quem comanda o território. 

São bagunceiros e brincalhões, mas é preciso tomar cuidado com algumas brincadeiras, principalmente com as de morder, que podem causar sérias consequências no futuro. Por isso, nunca deixe que o filhote morda suas mãos, ofereça brinquedos. Quando fizerem algo errado, é necessário chamar sua atenção, de preferência no momento da travessura, pois, se passar tempo demais, eles não vão entender o que fizeram de errado. Depois de estar com todas as vacinas em dia e já puder passear em locais públicos, a coleira deve ser colocada e ele deve caminhar sempre ao lado do dono.

Se quiser passar na sua frente, puxe a coleira chamando sua atenção. E sempre que obedecer aos comandos, agrade-o com palavras e carinhos, algumas vezes até com petiscos. Já os gatos são mais independentes. A maioria vai aprender sozinha a fazer as necessidades na caixinha de areia. Como têm essa personalidade, eles preferem caçar o próprio alimento.

Portanto, seria interessante mudar a vasilha de ração de lugar, em vez de deixá-la sempre no mesmo local, como a dos cães. É preciso aproveitar que são filhotes para ensiná-los a ter bons hábitos, já que, depois de adulto, essa tarefa fica bem mais difícil. E se tiver muita dificuldade, procure um especialista. O ideal é que até no máximo com um ano de idade o animal já esteja bem disciplinado.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

Porquinhos da Índia é um bom animal de estimação



Com uma fofura irresistível, o porquinho-da-índia é um dos roedores mais queridos e populares. De atividade diurna, são muito dóceis e de fácil manutenção. Como todo pet, precisam de atenção e carinho constante, mas se adaptam bem se tiverem que ficar sozinhos. Nesse caso, é aconselhável criar uma dupla do mesmo sexo. Ainda assim, o dono deve interagir diariamente com os animais, como explica Lisly Gomide, proprietária da Mini Pets. 'Não adianta o animal ficar preso sem contato com os donos a semana toda e eles só os pegarem nos fins de semana.

No Brasil, há cerca de 12 raças – os preços variam entre R$ 10 e R$ 700. O mais comum é o inglês, de pelagem curta, mais indicado para criação por exigir menos escovação e banhos. Como são presas na natureza, têm o instinto de fugir se estiverem assustados. É normal ficarem recuados em um ambiente novo, mas, com paciência, se apegam rapidamente ao dono. O ambiente ideal para a criação são os cercados, forrados com maravalha ou panos soft com comedouro, bebedouro e uma bandeja especial para as necessidades. Redes, tubos, esconderijos e brinquedos de madeira (pinus não tratada) vão deixá-los entretidos.

Alimentação 

Feno e capim verde à vontade ajudam no desgaste dos dentes, que nunca param de crescer. Galhos de pés de maçã, jabuticaba e goiaba também são bons. Por serem herbívoros, a ração ideal deve conter vitamina C estabilizada, essencial para a saúde do roedor. Frutas e verduras devem ser dadas todos os dias. Visitas semestrais ao veterinário são recomendadas, mas apenas para checape. Não é necessária nenhuma vacina, mas deve ser aplicada a vermifugação.

sábado, 15 de agosto de 2015

Viajar com pet você sabia companhia aérea cria primeira classe para animais de estimação



Viajar com animais de estimação pode ser um transtorno para o tutor. Também não é para menos, eles costumam viajar junto com as malas. Para proporcionar mais conforto ao pet a compainha aérea norte americana American Airlines criou uma acomodação especial para animais na primeira classe.

Os mascotes ficam em compartimentos bem próximos a seus donos, que são passageiros que vão de Los Angeles ou San Francisco para Nova York em aviões do modelo A321T.

A primeira classe com cabines para pets foi pensada para facilitar a viagem de quem precisa ou quer levar seu bichinho. Em entrevista ao site Travel and Leisure, um representante da companhia aérea afirmou que é um recurso único e que deve se tornar uma tendência popular.

As cabines, batizadas Cuddle Class, devem ser reservadas junto ao voo do passageiro e é preciso apresentar a documentação veterinária. É cobrada uma taxa de R$ 438 (US$ 125) pelo espaço ocupado e apenas pets pequenos cabem no compartimento.


terça-feira, 11 de agosto de 2015

Tudo que você precisa saber sobre Rottweiler



Apesar de ter a fama de feroz, o Rottweiler típico é um cão tranquilo, equilibrado e obediente ao dono. Há inúmeras histórias de animais desta raça extremamente dóceis e amorosos, apesar da má fama.

Sua origem remota é a Roma antiga, quando esses cães acompanhavam os soldados romanos. Porém, o desenvolvimento da raça se deu, como a conhecemos hoje, na Alemanha, especialmente na cidade de Rottweiler . Em razão de seu porte, logo passou também a ser utilizado como cão de guarda.

Características e temperamento

O Rottweiler é um cão extremamente corajoso, inteligente, robusto e determinado. Devido a seu grande tamanho (um macho adulto pode chegar a pesar 50 kg!), está entre as raças de guarda que mais impõem respeito, sem necessidade de um latido sequer – só o porte físico já é suficiente para afastar pessoas com más intenções!

Cães desta raça são extremamente devotados aos donos, mas, apesar de serem bastante auto-confiantes (o que poderia pressupor uma facilidade para aguentar momentos de solidão), necessitam muito do convívio próximo com a família.

Um tanto quanto desconfiados, muitas vezes não se animam a fazer amizade com estranhos. Seu instinto de proteção em relação ao dono é muito aguçado, por isso, é recomendável que seja adestrado desde filhote, para que atenda comandos mesmo em situações que, para ele, poderiam significar perigo.

Por falar em em adestramento, a inteligência da raça o torna um cão que aprende rapidamente, o que é ótimo, pois necessitam de liderança e disciplina, já que têm a tendência para apresentar alto nível de dominância e territorialidade.
Saúde e cuidados

A raça é bastante robusta, mas deve-se tomar cuidado com a chamada displasia coxo-femural, doença hereditária, que faz o cão sofrer dores durante toda a sua vida. Cães diagnosticados com este mal não devem procriar, para evitar que a doença surja nas gerações seguintes.

É uma raça bem disposta ao trabalho, mas, em razão do peso, não se destaca em competições de agilidade, por exemplo.

Costumam ser bem tolerantes com crianças, especialmente se acostumados com elas desde filhotes (destacando que a interação entre cães e crianças deve ser sempre supervisionada, independentemente da raça do animal).

Principais características
•Coloração: preto com manchas marrom avermelhado bem definidas.
•Pelagem: curta.
•Nível de energia: médio
•Qualidades principais: é protetor, corajoso e inteligente.
•Expectativa média de vida: 9 a 10 anos.
•Peso: fêmeas – 42 kg; machos – 50 kg.
•Altura: fêmeas – entre 56 cm e 63 cm; machos – entre 61 cm e 68 cm.
•Preço: de R$ 2.000 a R$ 4.000.
Verdades e mitos
              A raça Rottweiler não é a ideal para todas as pessoas. Como todas as  raças,  ela possui  características que algumas pessoas gostam e  outras que as pessoas consideram intoleráveis. Por isso existem mais de 300 raças “puras” no mundo. Cada uma delas foi criada com um propósito específico. Existem cães de companhia, cães de caça, cães pastores, cães farejadores e muitas outras especialidades e combinações diferentes dentro destas especialidades. Só porque uma raça é popular agora não quer dizer que seja correta para você.




              Não adquira um  Rottweiler apenas por sua  reputação como um cão de guarda, pois apesar de seu tamanho e grau de intimidação, a verdadeira proteção é obtida com treinamento e confirmação da índole do animal, e mesmo que você não o utilize para  proteção, um Rott necessita de aulas de obediência e socialização, para um convívio saudável evitando conflitos com o proprietário de demais cães.
              Os Rottweilers  não são grandes latidores, adoram dividir muitos aspectos da vida diária da família como guardiões, protetores, trabalhadores dispostos e companheiros felizes. Eles sempre buscam a sua companhia e querem ficar onde você estiver. Apesar de ficarem bem em canis ou serem restritos a um cômodo da casa. Mas a socialização torna-se necessária evitando que o cão cresça e se torne um cão anti-social (temeroso e/ou agressivo sem provocação), indisciplinado e infeliz.
              Lembre-se: Cães não acreditam em igualdade social. Eles vivem em uma hierarquia comandada pelo líder e ele faz as regras. Ele come primeiro, diz quando e para onde ir, onde ficar, enfim, comanda tudo. Se sua liderança for contestada (normalmente por um jovem macho) ele a defenderá com unhas e dentes, literalmente.. Qualquer que seja a raça, se você não assume a liderança, o cão o fará cedo ou tarde e com consequências mais ou menos desagradáveis para o proprietário relapso.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Enriquecimento ambiental para gato é importante ? Descubra



Enriquecimento ambiental significa acrescentar um ou mais elementos ao ambiente para promover o bem-estar físico e psicológico do animal.

A ideia teve início nos zoológicos, onde os veterinários e biólogos sentiam necessidade de melhorar a qualidade de vida dos animais confinados, como por exemplo, macacos e leões.

Fazendo uma analogia aos grandes felinos é possível aplicar as técnicas de enriquecimento ambiental em qualquer casa ou apartamento que haja um gatinho doméstico.

Os gatos que vivem em confinamento, como apartamentos ou casas teladas estão mais protegidos dos perigos enfrentados nas ruas e das doenças contagiosas, porém são os que mais necessitam de enriquecimento ambiental.

Existem diversas maneiras de promover esse enriquecimento e nem todas elas envolvem grandes investimentos financeiros. Usando a criatividade é possível desenvolver excelentes alternativas para os brinquedinhos de luxo.

Podemos classificar o enriquecimento em duas formas, as animadas e as inanimadas.

Formas animadas:

Envolvem os seguintes tipos de interação: gato-gato, gato-cachorro e gato-homem. A interação gato-homem pode ser feita através de brincadeiras, adestramento ou simplesmente sessões de escovação. A interação com outro animal deve ser feita com cautela, pois os gatos são animais relativamente solitários. Quando essa interação ocorre na infância costuma obter maior sucesso do que na fase adulta.

Formas inanimadas:

As formas inanimadas de enriquecimento envolvem uma série de estratégias, como:

- uso de brinquedos: no Brasil ainda é mais comum encontrar brinquedos para cães do que para gatos, mas mesmo assim a variedade é grande, indo desde simples bolinhas com guizo até as varinhas com penas, que acabaram por se tornar o sucesso no mundo felino.



- uso de alimentos: petiscos como ração em sachê são excelentes opções na hora de adestrar um gato e podem servir de estímulo para a brincadeira. Alguns brinquedos permitem que a ração (seca ou úmida) seja escondida de forma que o gato precisa se esforçar para conseguir comer. Essa opção também é recomendada para gatos que precisam perder peso ou que têm compulsão por ingerir objetos.



casa-para-gatos
- enriquecimento físico vertical: os gatos possuem habilidade natural de pular e escalar, portanto colocar suas coisas em partes altas da casa já um excelente começo, como por exemplo, sua caminha, suas vasilhas de água e comida e até mesmo sua caixa de areia. Além disso, a instalação de prateleiras ao longo da casa permite que o gato se exercite e que se sinta mais seguro. Outra maneira, menos econômica, são os arranhadores com prateleiras vendidos em petshop. São ótimas opções, mas podem sair mais caros do que o esperado.

- enriquecimento físico estrutural: feito através da colocação de esconderijos e arranhadores para o gato. Os esconderijos podem ser caminhas estilosas ou até mesmo as famosas caixas de papelão, tão amadas pelos gatos. Os arranhadores podem ser horizontais ou verticais. Você pode misturar o enriquecimento vertical com o estrutural e colocar esses objetos no alto também.

- enriquecimento sensorial: através do olfato, visão e audição também é possível promover melhora do bem-estar felino. Exemplos são a simples e própria voz do dono, programas de televisão e/ou em tablets e celulares e o famoso catnip ou erva-do-gato. As imagens nos equipamentos nem sempre fazem sucesso, mas podem ser uma forma de distração. O catnip está amplamente distribuído nos brinquedos para gatos, mas são mais indicados para animais extremamente agressivos e devem ser usados com cautela. Além desses, o feromônio sintético para gatos, que não se encaixa nas categorias acima, mas é bastante indicado na melhora de alterações comportamentais.

Algumas alterações de comportamento exibidas no confinamento:

- passar muito tempo escondido dentro de sua casinha;

- atacar pessoas ou outros animais que passem em frente sua casinha;

- miar em excesso;

- falta de interesse em brincar;

- seguir o dono onde quer que ele vá;

- arranhadura em excesso dos móveis;

- marcação de território com urina e/ou fezes.

Cuidados a serem tomados:

Com relação à interação gato-dono é fundamental não estimular a agressividade através de brincadeiras rústicas, como mordidas nas mãos.

Já no ramo dos brinquedos é importante observar o comportamento do gato no momento da interação, pois alguns brinquedos podem ser ingeridos pelo gato e provocar danos graves. Além disso, brinquedos que o gato não consegue “pegar” podem gerar frustração, como ponteira a laser e joguinhos no tablet/celular.

Sempre permita que seu gato finalize a brincadeira deixando-o pegar com as patas ou a boca o brinquedo. Dessa maneira ele entende que conseguiu “caçar” sua presa.

Alterações graves de comportamento podem ser corrigidas com auxílio de veterinário especializado, portanto, na dúvida, é melhor procurar ajuda de um profissional.

Estas dicas e orientações não devem ser interpretadas como forma de diagnóstico, nunca medique seu gatinho sem orientação veterinária.


domingo, 9 de agosto de 2015

Feliz dia dos Pais homenagem

Ser pai é uma missão Não é apenas reprodução Ser pai é dar amor, carinho e proteção Ser amigo leal nas horas certas E severo com brandura quando for preciso Para educar e mostrar o caminho certo Nos quais os filhos vislumbrarão Uma referência a seguir Pai é proteção e segurança Quando suas mãos buscam as mãos dos filhos Eles sentem-se seguros e protegidos E caminham lado a lado sem temor Mesmo que estejam temerosos De enfrentar qualquer obstáculo que surgir Em suas vidas e caminhos Pai é o amigo para as brincadeiras É o confidente nas angustias É o sorriso na alegria É o companheiro nas tristezas É o amparo no cansaço E o colo quando o sono chega Velando com ternura o meu adormecer E se eu ficar doente, o franzir de sua testa Reflete a preocupação e busca logo os recursos Para que eu possa logo sarar Esse é o meu pai Aquele homem bondoso Que eu sempre vou amar!


sábado, 8 de agosto de 2015

Como evitar que seu gato arranhe os móveis




Uma reclamação mais que frequente dos donos de gatos são quanto aos arranhões em móveis e alguns objetos. Claro que não é muito agradável ver aquela mesa ou sofá novinhos com diversas marquinhas de unhas. Mas, diferente do que muitos imaginam, é possível ensinar a seu gato que não pode arranhar determinadas coisas.

Porém, primeiramente devemos entender e respeitar as necessidades de nossos animais de estimação para podemos educá-los sem reprimir seus instintos.

Por que eles arranham?                                

• Para afiar as unhas – Arranhando móveis e objetos, os gatos retiram pedaços de unhas que estão velhos e soltos. Assim eles mantêm a camada mais nova e afiada que cresce continuamente.

• Demarcação – Os arranhões também servem como aviso a outros gatos que aquele local já tem dono. Assim como os cães (e alguns gatos) fazem xixi para marcar território, os bichanos usam os arranhões para deixar marcas e seu cheiro no ambiente.

• Alongamento e exercício – Após uma boa soneca, os gatos adoram se esticar e arranhar as coisas para alongar os músculos.



Compre pelo menos um arranhador para o seu bichano. Um poste de arranhar (arranhador) é a resposta para o seu problema; porém, levará tempo para incentivar o seu animal a usá-lo, e quando você comprar o poste, há algumas coisas a considerar. Você mesmo pode fazer um, se tiver tempo e uma habilidade básica para trabalhar com madeira.
Ao escolher ou construir um poste, procure um que seja pelo menos tão alto quanto o seu felino quando ele fica de pé nas suas patas traseiras. Certifique-se de que ele seja firme e que não tombe sob o peso do seu gato.
Áspero e arranhado é melhor Seja qual for o modelo que você escolher, evite qualquer coisa que seja macia. Um poste de arranhar deve ser como casca de árvore (o elemento natural para gatos arranharem), ou seja, áspero e grosseiro. Isto é totalmente para o seu benefício, pois o seu animal vai adorar, enquanto que a versão macia fará com que ele não aprecie a falta de resistência. Postes com corda de sisal em torno deles são os melhores, e quanto mais áspero ele for, menos convidativo fará que o seu sofá seja.
É realmente uma boa ideia ter mais de um poste, especialmente se a sua casa tiver mais de um andar, ou se for uma casa grande. Isto irá diminuir as chances do gato arranhar a mobília em outros cômodos. Concentre-se, principalmente, nos cômodos onde você e o seu animal passam mais tempo, ou onde ele gosta de ficar, como salas de estar, salas de TV, salas de jogos, varandas, etc.
Preste atenção às peças da mobília nas quais o animal gosta de usar as unhas e suas localizações. Se for sempre a cadeira na qual você costuma sentar, coloque um poste perto dela e deixe uma peça da sua roupa no topo por um tempo, ou use a parte superior do poste para colocar alguns itens pessoais, assim, o seu gato o verá como parte de sua marca territorial, da mesma forma como ele vê a sua cadeira favorita. Este é o lugar onde, se você puder pagar, uma árvore para gato mais extravagante, com prateleiras acarpetadas, arranhadores e plataformas onde ele possa deitar, pode se tornar a própria cadeira do seu animal de estimação. Colocar o poste ou a árvore próximo ao seu sofá ou à cadeira favorita pode torná-los ainda mais atraentes; isto é especialmente relevante se ele for extremamente ligado a uma pessoa da família em particular.
Um tronco de árvore completo com casca pode ser o arranhador ideal. No entanto, isso pode ter a desvantagem de trazer os pequenos bichos que viviam no tronco para dentro de sua casa, por isso, se você não tiver certeza de que o troco está livre de bichos, é melhor que você o deixe do lado de fora, em um local perto da porta dos fundos, como uma espécie de convite para que o seu gato o arranhe bastante antes de entrar em casa.





Treine o seu gatinho para fazer uso do poste. Eduque o seu querido animal de estimação a usar somente este objeto para afiar as garras. Coloque o poste em algum lugar firme para que ele não tombe ao ser usado. Uma boa opção é colocá-lo ao lado do móvel que até agora foi o alvo das afiadas garras, ou onde ele provavelmente iria querer arranhar se não tivesse o arranhador por perto. Se você quiser tornar o novo objeto mais atraente, esfregue erva-dos-gatos sobre ele.
Incentive-o a soltar as suas garras no novo arranhador, colocando-o, delicadamente, na sua frente. Ao mesmo tempo, procure acariciá-lo e espere que ele tenha alguma reação ao poste de arranhar. Toda vez que o seu gato usar o arranhador, faça elogios e carinhos.   Incentive o seu animal colocando delicadamente suas patas dianteiras no poste e até mesmo mover as patas sobre ele; no entanto, muitos gatos odeiam ser forçados a fazer qualquer coisa, e isso pode ter um efeito muito negativo. Provavelmente, o melhor será deixar ele descobrir o arranhador primeiro e, se você conhecer bem o seu animal, você saberá se ele se importará de ter suas patas empurradas no poste ou não; na maioria dos casos, não é uma boa ideia. Alternativamente, você pode até mesmo "mostrar" ao seu gato como usar o novo objeto usando suas próprias unhas, ou pendurar um brinquedo que balance contra ele para chamar a atenção do seu felino - ao tocar o brinquedo, ele pode descobrir a alegria de arranhar o poste.
Embrulhe o novo arranhador para um gato de mais idade acostumado com velhos hábitos. Se você ainda não teve a oportunidade de treinar o seu gatinho a usar um arranhador a partir do zero, uma boa sugestão é você embrulhar o novo poste e deixar o seu gato "descobrir" esta nova maneira de afiar as garras por si mesmo. Se ele pensar que por ter achado o objeto ele pode reivindicá-lo como sua propriedade, você não terá problema nenhum em convencê-lo a usá-lo.
Às vezes, a rivalidade entre gatos pode interferir no uso de um poste. Se um animal “banir” um outro do poste, certifique-se de que aquele que perdeu a posição dominante tenha o seu próprio arranhador em outra área. Cada gato pode ter diferentes territórios pessoais e lugares favoritos. Isto é o mesmo que acontece quando alguns felinos se recusam a usar caixas de areia usadas por outros animais e exigem uma apenas para eles.
Se você perceber que o seu gato está demonstrando nervosismo ou antipatia pelo poste, tente inclinar o objeto para o lado, tornando-o menor e menos ameaçador, até o seu gatinho se acostumar.
Outro método de condicionamento que pode funcionar é: ao chegar em casa, espere até que você esteja perto do poste para cumprimentar o seu animal de estimação. Use suas próprias unhas no arranhador e demonstre ao seu gato como você está feliz em vê-lo. Quando ele chegar perto do poste e começar a arranhá-lo, tire as suas mãos do objeto e comece a acariciar e elogiar o seu gatinho enquanto ele afia as suas garras.


Use o seu tom de voz. Um sonoro "NÃO!" sempre que o seu gato chegar perto de uma peça da mobília que ele tenha arranhado pode ajudar a reduzir o seu interesse em fincar as unhas no que quer que seja. Se você prefere não gritar ou demonstrar raiva, chacolhe uma lata cheia de pedrinhas ou moedas para assustá-lo. Em seguida, o coloque ao lado do arranhador como um meio de condicionamento. Não deixe que sua voz transpareça raiva nem faça um discurso irado; lembre-se que ele está simplesmente seguindo instintos naturais, e você é o ser superior com a capacidade de controlar a sua explosão emocional.
Nunca o repreenda quando ele estiver perto do ou usando o poste. Ele precisa associar esse novo objeto com fatos agradáveis e felizes.

Use água. Se você tem um frasco vaporizador de água, você pode tentar esguichar água no seu gato sempre que ele começar a arranhar a mobília. Tente fazer isso antes que ele comece a arranhar, mas se não for possível, esguiche de qualquer maneira quando ele estiver no meio da ação. Isso não vai machucá-lo, porém, vai ajudá-lo a associar arranhar uma peça da mobília com uma desagradável borrifada de água!
Use uma mistura de óleo cítrico para deter o seu felino. Alguns gatos são repelidos pelo cheiro de óleo de laranja. Misture partes iguais, cerca de uma tampa cheia de óleo de eucalipto e óleo de laranja em um frasco de água. Você pode testar isso no seu animal, colocando uma pequena quantidade em um pano úmido perto do seu nariz. Também pode haver outros óleos perfumados que ele não goste, experimente alguns. Agite o frasco antes de cada utilização, já que o óleo e a água irão se separar após um curto período de tempo. Este método além de impedir o seu gato de destruir móveis ou paredes, dará a sua casa um odor agradável e perfumado também.


Cubra os móveis alvos das garras. Algumas peças parecem ficar marcadas como alvos especiais porque o seu animal de estimação acha que elas são perfeitas para as suas garras. Neste caso, existem várias opções que você pode escolher:
Aplique fita adesiva de dupla face sobre a mobília. Os gatos não gostam da sensação pegajosa e não continuarão a fincar as suas garras nessas áreas; a pele sem pelos (couro) das suas patas é extremamente sensível ao toque. Nos móveis maiores, aplique a fita adesiva sobre os braços, ou na parte de trás do móvel onde o gato, muitas vezes, gosta de brincar (e se esconder do esguicho de água). Para uma área maior, como um tapete ou carpete, coloque papel contact com o lado adesivo para cima sobre a superfície que você deseja proteger.
Se o seu animal é do tipo que faz a festa quando você está no trabalho ou fora de casa, uma solução é cobrir os móveis com capas de plástico. Eles não gostam de andar sobre plástico por causa do cheiro e do toque. Você também pode tentar colocar balões escondidos debaixo do lençol que cobre a mobília para que eles estourem ao toque de garras afiadas, fazendo com que o susto fique associado à peça da mobília por um bom tempo.

Mantenha as garras do seu gato aparadas. Uma vez que parte da razão para arranhar é aguçar e até mesmo regular o crescimento das garras, você pode ajudar cuidando regularmente das unhas do seu animal de estimação. Se você não souber como apará-las, pergunte ao seu veterinário para lhe mostrar como fazer isso pela primeira vez, pois será fácil machucar o seu gatinho se você não souber o que você está fazendo. Um gato que não está acostumado a ter as garras aparadas pode se sentir um pouco incomodado inicialmente, porém, não desista e continue até que ele se acostume com isso. Mais uma vez, procure elogiá-lo ao aparar as suas garras para que ele saiba que você está cuidando dele.
Seria útil "cegar" as pontas das garras de um gato que nunca tem acesso a árvores ao ar livre. Você pode fazer isso usando cortadores de unha (nunca use cortadores de unha feitos para cães), no entanto, você deve saber a linha de corte correta para evitar ferir o seu animal. Peça ao seu veterinário para lhe mostrar como se faz isso.






Feche as portas dos quartos mobiliados com móveis, acessórios e objetos caros. Se você tem antiguidades ou móveis de grande valor, por uma razão ou outra, considere deixá-los em uma zona livre de gatos. Certifique-se de que todos na família estejam cientes de que os felinos não são permitidos nestes locais e sempre mantenha as portas para essas áreas fechadas. Se o seu animal entrar nessas áreas, expulse-o abruptamente para que ele associe isso com sendo "fora dos limites" (é claro que ninguém será bobo o suficiente para acreditar que ele vai respeitar isso, mas pelo menos quando uma pessoa estiver lá, ele irá saber que está de sobreaviso). Peça as outras pessoas da família para terem cuidado em vez de esperar que o gato conheça a diferença entre móveis importantes e móveis menos importantes.

Permita que o seu gato passe algum tempo do lado de fora sempre que possível. Se ele já for capaz de entrar e sair da casa, é bem provável que ele tenha encontrado uma ou duas árvores para arranhar. Incentive isto (a menos que esteja prejudicando a árvore) e continue a deixá-lo passar um tempo adequado do lado de fora, já que usar a natureza como um poste de arranhar vai certamente reduzir o seu desejo de usar a sua mobília para o mesmo propósito.



Seja paciente e compreensivo(a). Você ama o seu animal e a preciosa relação que vocês compartilham. Ele sabe quando você se importa e vai retribuir e fazer o seu melhor para agradar aos seus companheiros humanos, desde que ele sinta que está sendo apoiado e elogiado. Ao longo do tempo, com a prática repetida, o seu gato deve se acostumar a usar o poste e deixar os seus móveis em paz.


Dicas
Placas e postes para arranhar vêm em diferentes tamanhos e usos. Alguns são apoiados no chão e outros são suspensos. Alguns são feitos de cânhamo. Tente tipos diferentes. É melhor ter bastantes espalhados do que não ter o suficiente.
Árvores para gatos com arranhadores, tocas pequenas e plataformas de descanso são particularmente atraentes para os gatos. Elas são um pouco caras, mas podem satisfazer os instintos de marcar território, bem como afiar as garras. Elas também fornecem exercícios extras como escalar e pular. Se o gato gosta de ficar perto de você, posicione-a de modo que você tenha fácil acesso a uma das prateleiras de descanso, enquanto você estiver sentado(a) na cadeira ou sofá mais danificados pelos arranhões - e tenha pelo menos um dos postes de arranhar que vem junto com a árvore perto da plataforma de descanso.
Você pode comprar capas de vinil protetoras de unhas em lojas de animais para cobrir as garras do seu gato. Elas não vão prejudicar o seu bichano e pode resolver o seu problema.
O ato de arranhar deixa as garras afiadas. Certifique-se de apará-las pelo menos uma vez por semana, e não menos do que duas vezes por mês.
Tenha paciência com o seu gato. Se você sentir que você não pode mais suportá-lo, peça conselhos ao seu veterinário sobre um adestrador de animal. No entanto, um adestrador não deve ser necessário se você usar paciência e diligência no treinamento de seu animal.
Converse com o seu felino usando um tom de voz calmo. Não grite com ele, apenas argumente. Ele irá captar o suficiente entre as suas palavras e a linguagem corporal para compreender o que você quer e isso pode ajudar a resolver muitos problemas de comunicação. Gesticule e aponte para os objetos quando conversar com o seu animal.
Fita adesiva transparente pode ser aplicada nos móveis e molduras de portas onde o seu gato gosta de afiar suas garras, ele não irá gostar da sensação, e a fita será quase invisível para você.
Outra opção é colocar algo robusto e resistente como uma capa feita de tapete na área que ele gosta de arranhar, removendo-a apenas quando você receber visitas. Isso também pode ser usado para treinamento de aproximação sucessiva - acostumá-lo à capa protetora (ela fica dobrada sobre o braço e as costas do sofá), então, depois de ter sido parcialmente arranhada e estiver impregnada com o cheiro do gato, dobre-a sobre poste ao lado do sofá. Veja se o seu animal continuará arranhando a capa ou se irá arranhar o sofá. Esfregue suas mãos sobre a capa protetora para que ela fique com o seu cheiro, e acaricie o seu animal, ocasionalmente, enquanto ele estiver pendurado no poste.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Seu animal parou de comer saiba o que fazer



Cães ou gatos que param de se alimentar normalmente por mais de dois dias indicam que há alguma coisa muito grave em relação à saúde! Se o seu pet recusa até mesmo a "comida mais gostosa" e vem apresentando emagrecimento, você deve procurar um médico veterinário com urgência! Somente um médico veterinário será capaz de diagnosticar as causas dentre as inúmeras que existem para o problema.
Cães e gatos que não alimentam por mais de dois dias seguidos é definitivamente um dos primeiros sinais de que algum problema grave de saúde pode estar ocorrendo! A recusa em alimentar-se, a diminuição do apetite normal e o emagrecimento são indícios de inúmeras doenças infecciosas, intoxicações, problemas metabólicos como a diabetes. A falta de apetite necessita de atenção veterinária, pois, sem tratamento, seu animal pode morrer. Afinal de contas: comida é vida!

Se você observar que o seu gato ou cachorro não alimenta há mais de 48 horas, é importante procurar um veterinário. Outras mudanças no comportamento normal podem ser observadas, como desânimo, apatia ou diarreia devem ser informados ao médico veterinário. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico da causa desse sintoma, maior será a chance de uma recuperação ou até mesmo descobrir um problema grave ainda no princípio.

Não precisa correr para o veterinário se o seu animal  simplesmente recusou a ração do dia.  É importante diferenciar uma falta de apetite normal da que é problemática.

Na natureza, os carnívoros fazem grandes refeições de vez em quando, de acordo com o resultado da caça, para depois ficarem alguns dias sem comer. Alguns cães e gatos domésticos demonstram que esse instinto ainda existe. Se o seu bichinho de estimação pegou pesado na última refeição, pode ser que ele "pule" a próxima.

Alguns animais, na medida em que envelhecem, podem ficar com um apetite menor, devido à própria natureza: o metabolismo desacelera com a velhice e as exigências de calorias também.

Todo dono de pet deve ser precavido em relação à saúde de seu animal de estimação! Quaisquer tipo de alteração nos hábitos alimentares normais do seu cão ou gato de estimação devem motivo de atenção e preocupação, razão para procurar um veterinário imediatamente!



Mais dicas

Mudança de ração
A mudança de ração, tirando uma ração que ele estava acostumado e oferecendo uma nova e desconhecida, também pode ser motivo para o cão se recusar a comer. Se for esse o caso, é interessante oferecer a ração anterior para ver se ele aceita. Se aceitar, ótimo.

Caso a troca de ração se faça necessária por recomendações médicas ou para melhorar a qualidade do alimento fornecido, o indicado é que a ração nova seja misturada diariamente a antiga, por pelo menos cinco dias, para que o pet se acostume com a mudança. Tire a antiga gradativamente, até conseguir que o animal se adapte ao novo alimento.

Muitos animais no mesmo lugar
Outra coisa que o proprietário precisa observar é se não está havendo competição entre os animais . Se você tem mais de um cão, olhe se na hora da comida, não tem um mais briguento e que toca o outro, impedindo que ele se alimente. É comum cães de porte pequeno impedirem que os de porte grande comam, fique atento. Se for esse o problema, separe os pets na hora da refeição.

Ração de qualidade
As rações mais baratas, além de não ser o melhor alimento para o seu pet, podem não ser tão apetitosas. Se o seu cão ganha desse tipo de ração e você notou que ele não está querendo comer direito, compre uma ração melhor, Premium ou Super Premium. Ofereça ao cachorrinho. Provavelmente ele vai adorar e ficará ainda mais feliz.

Doença
Caso o pet esteja doente, pode ser que ele se recuse a comer. Brincar e fazer carinho e oferecer ração aos poucos, na boca, pode ser uma boa alternativa. Há também as rações úmidas que costumam chamar mais a atenção dos cães e podem ser uma ótima aliada nesses momentos.

Em casos graves ou de gastrites, o médico veterinário poderá orientar uma alimentação especial e feita em casa, de maneira balanceada, para que o animal possa ser alimentado. É importante lembrar novamente  que um dia o animal pular uma refeição, é algo normal, mas se ele ficar o dia todo sem comer e no dia seguinte continuar sem se alimentar, é um alerta de que algo pode não estar bem. Quanto antes ele for examinado, melhor.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Como ensinar seu cachorro a fazer as necessidades no lugar certo



É preciso ter paciência pra ensinar seu cachorro a fazer xixi e cocô no lugar certo. Mas não se preocupe, ele aprende relativamente rápido, só depende do seu método de ensino.

Pode ser que você pense que seu cachorro já aprendeu, mas um belo dia ele erra o local. Acontece. Não desanime nem se desespere. Essas ondas fazem parte do processo de aprendizado e não vai demorar para que ele acerte 100% das vezes.



10 dicas de como ensinar seu cão :
1. Ensine enquanto ele ainda é filhote, porque depois de adulto fica mais difícil;
2. Separe um cantinho da casa para ele aprender que aquele canto é dele para fazer suas necessidades;
3. Não deixe as vasilhas de comida e água perto desse cantinho. Misturar comida e sujeira não combina.
4. O catinho do cachorro deve estar sempre acompanhado de bastante jornal em pelo menos 1 metro quadrado;
5. Pingue o “Pipi Pode” no jornal. Você encontra esse produto num petshop.
6. Leve o focinho do seu cachorro até o jornal pingado de “pipi pode” e converse com carinho sobre o seu cantinho das necessidades.
7. É claro que isso não irá resolver e sim um conjunto de situações como por ex: ele com certeza vai fazer sujeira em algum lugar da casa, então, com cuidado e muito amor, mas sendo firme, esfregue seu focinho próximo da sujeira e diga que alí não pode, e em seguida leve-o para o cantinho das necessidades e repita o primeiro ensinamento, com o mesmo tom de voz firme e deixe-o alí até ele querer sair.
8. Repita esse processo repetitivamente até ele compreender.
9. Depois de dar todas as e 3 primeiras vacinas, aí você poderá sair com seu cachorro na rua pra ele fazer suas necessidades (sem esquecer da sacolinha para recolher toda a sujeira);
10. Saia com ele sempre depois de 30 ou 40 minutos depois de comer ração.

 Temos que dar  regras a ele. Tudo tem hora. Hora de passear, hora de brincar etc . Então isso facilita bastante.
Se você deixa seu filhote fazer o que ele quer, então terá mais dificuldades.






terça-feira, 4 de agosto de 2015

Você sabia ?



O universo da bicharada é realmente fenomenal. Novas informações são descobertas por estudiosos de plantão e vêm à tona a cada dia que nasce no horizonte, sempre com algo surpreendente que você não sabia sobre algumas espécies de animais.

Só para você ter ideia, os animais passaram do mar para a terra há 414 milhões de anos, ou seja, eles têm muita história para contar para nós, reles seres humanos.


1. Ursos polares não emitem calor detectável
2. Um atum pode nadar até 64 quilômetros em um só dia
3. Alguns anfíbios saltam distâncias que correspondem a 100 vezes o seu tamanho
4. Ratos também sentem cócegas
5. Escorpiões brilham no escuro sob raios ultravioletas de uma luz negra



6. Galinhas com lóbulos vermelhos da orelha põem ovos castanhos; já as com os lóbulos brancos põem ovos brancos
7. As cabras têm sotaques diferentes
8. Quando um gato se apoia em você com a cabeça, ele está mostrando confiança
9. O pica-pau pode dar 100 bicadas por minuto em uma árvore
10. Beija-flores podem voar de frente, de costas e até mesmo de ponta-cabeça
11. As formigas são equipadas com cinco narizes diferentes
12. Golfinhos dão nomes uns aos outros
13. Centenas de árvores crescem devido às sementes que os esquilos perdem pelo caminho
14. Pandas recém-nascidos são mais leves do que uma xícara de chá

Urso Polar

15. Ostras mudam de sexo, dependendo do que é vantajoso para o acasalamento
16. Coalas têm impressões digitais quase idênticas aos dos seres humanos
17. Chow Chow e Sharpei são as únicas raças de cães que não têm a língua rosa
18. Orcas não são baleias, mas sim uma espécie de golfinho



19. O leite de cabra tem mais cálcio do que o leite de vaca
20. Ursos adultos podem correr tão rápido quanto os cavalos
21. O coice mais poderoso que existe é o da girafa


Os gatos tem paladar exigente



Eles são manhosos até mesmo na hora de comer. A relação entre gatos e comida costuma ser complexa. Os felinos são mais seletivos do que os cães, buscando sempre comer alimentos mais frescos, de paladar e odor agradáveis, . Mas o comportamento varia de acordo com a personalidade de cada animal. “Gatos geralmente são mais organizados. Não gostam de comida velha e não comem qualquer coisa. Mas ainda existem alguns felinos que não se importam com isso.


Gatos são animais carnívoros. “Eles gostam de comidas mais gordurosas, com mais sabor. O teor proteico é maior para os felinos do que para cães,  Por isso, não é possível oferecer apenas vegetais. “Eles não são onívoros. Tudo que os gatos precisam, eles tiram da proteína. Não tem como mudar os hábitos alimentares de um animal assim .

A relação dos felinos com a água também é muito meticulosa. A preferência é sempre pelo líquido fresco. Em geral, eles só bebem a água que julgam de boa qualidade. Por isso, muitas vezes, optam por ingerir a substância diretamente das torneiras ou até mesmo do chão. Em dias quentes, é ainda mais importante renovar a água oferecida. Uma boa ideia é acrescentar cubos de gelos. 




Para quem faz a comida do pet em casa, a alimentação deve ter tudo que ele precisa para manter energias. “Vitamina, proteína, carboidrato e minerais. Também é muito importante colocar pouco ou quase nada de sal. Temperos como açafrão, alecrim e manjericão podem ser adicionados na comida do animal para dar mais sabor.

Mas é preciso atenção: alguns alimentos são tóxicos para os gatos. Cebola e chocolate, por exemplo, estão terminantemente proibidos. Laticínios também. A maioria dos gatos tem intolerância a lactose. Provoca vômitos e diarreias. Frutas cítricas ou com alto valor calórico devem ser evitadas da mesma forma.

Gatos geralmente comem em pequenas porções várias vezes ao dia. O importante é trocar a ração do animal para mantê-la sempre fresca. O bicho não pode ficar longos períodos sem se alimentar. Eles também preferem comer à noite, pois, como a maioria dos felinos, são animais com hábitos noturnos.





Os especialistas destacam a importância de manter alimentos e água longe da caixa de areia. É bom afastar os comedouros e, se possível, colocá-los em outro ambiente, pois os gatos são animais bem higiênicos e seletivos. Eles podem associar a hora de comer à hora de ir ao banheiro e, com isso, diminuir a quantidade de ingestão de ração ou até parar de comer.

Deixar vasilhas limpas também é importante para o bem-estar do animal. Os utensílios devem ser limpos pelo menos duas vezes por dia. “Existem formigas, baratas, insetos. Além disso, as sobras podem fermentar com o tempo, podendo causar transtornos alimentares.



domingo, 2 de agosto de 2015

Por que os gatos trazem animais mortos para casa?



Veja, os gatos fazem isso porque o que eles trazem para dentro de casa não é um mero “rato morto”. É um troféu, uma presa, uma caça que ele conseguiu pegar.
E trazer para casa, e colocar na sua cama, por exemplo, é uma forma de seu animal te dar um presente.
Ele não só provou que sabe caçar, como te deu o resultado da caça!
Assim, ao invés de sentir-se ofendido, você deveria ficar grato! Na verdade, o que ele está procurando fazer é agradar a você! Interessante, não?
Portanto, da próxima vez que isso acontecer, nada de bater ou brigar com o gato! Lembre-se de que ele o está presenteando!…


Saiba o que fazer quando seu gato trouxer animais mortos para você

O problema dessa atitude, além dos óbvios sustos por parte dos donos  ao se depararem com um rato morto, por exemplo, é a questão da possibilidade de transmissão de doenças. Gatos que têm acesso a esse tipo de animal podem estar mais vulneráveis à toxoplasmose, uma zoonose grave que pode afetar seres humanos.





Você pode tentar desencorajar esse tipo de atitude, mas nunca brigue com o gato. Manter o gato somente em casa é uma alternativa. Caso você tenha um quintal, colocar uma coleira com guizo pode ajudar a espantar as presas antes de serem atacadas. O gato ainda poderá expressar o seu comportamento natural de caça. Quando não conseguir evitar a morte do animal que foi capturado, pegue o “presente” e descarte. Eventualmente os gatos apenas exercitam o ato da caça e deixam suas “vítimas” irem embora ilesas com uma majestosa condescendência.

Pode ser que o gato se sinta ofendido com a recusa do presente: alguns especialistas em comportamento dizem que essa é uma forma do gato ensinar o tutor a caçar. Entre as gatas, esse comportamento pode ser mais frequente, pois elas ensinam essa habilidade aos seus filhotes.

Outra solução apontada para diminuir a frequência é ter outro gato, que pode ser uma forma de direcionar a atenção do seu felino para outras formas de interação com o seu ambiente.

Certifique-se de alimentar o seu gato de forma adequada para que ele nunca sinta fome e tente fugir à procura de um lanche extra! Uma alternativa bem interessante é    o  dono  incentivar o seu gatinho a brincar com um ratinho de brinquedo.





sábado, 1 de agosto de 2015

Mitos e verdades sobre cachorros e gatos



Existem vários ditos populares de ações e comportamentos dos cães e gatos  que sempre despertaram várias dúvidas nas pessoas leigas, chegou a hora de explicar todos estes mitos.

1 – Cães são racistas?

Isso é um absurdo. Eles podem ter receio de certa pessoa ou não por algum trauma, ou talvez por uma falta de socialização ainda quando filhotes.
Quando um cão é criado em um ambiente cheio de pessoas negras, ele pode estranhar uma pessoa de pele clara, ou vice e versa. Os humanos possuem cheiro, forma e cor diferente, tudo isso pode fazer com que o cão estranhe, sendo assim, é muito importante realizar a socialização com várias etnias humanas.

2 – O cão precisa aprender a atacar para não atacar?

Você não deve acreditar nisso, o cão não precisa de nenhum tipo de estimulo para ser agressivo, a não ser que você esteja o treinando para ser um cão de guarda ou de caça.

3 – Cães preferem ficar dentro de casa com as pessoas ou livres no quintal sozinhos?

Por mais absurdo que isso possa soar, os cães preferem sempre a companhia de outros cães, não importa o lugar e a condição em que estiverem.
Os cães precisam muito de companhia, não pense que por ter um quintal enorme, você pode abandonar seu cão lá. Pode ter certeza que um cão vai preferir um espaço apertado, mas com companhia do que um lugar enorme e solitário.

4 – Deixar o cão preso faz com que ele seja um bom cão de guarda?

Se você visa ter um bom cão de guarda, você precisa realizar um ótimo treinamento e preferencialmente desde filhote. Quando um cão fica preso a uma corrente o tempo todo, ele pode se tornar agressivo e neurótico, pois não sabe bem como se proteger.
99% dos animais que vivem sempre presos em correntes desenvolvem temperamentos instáveis e perigosos. A socialização é sempre a melhor forma de ser ter um animalzinho emocionalmente equilibrado.

5 – Quando o cachorro está com o focinho quente ou seco, significa que está doente.

Estamos falando de um dos maiores mitos envolvendo cães. Muitas pessoas pensam que um nariz gelado e úmido mostra que o cão está saudável.
Você deve aprender que o focinho do cachorro não mede sua saúde, quando o cão acorda, normalmente o focinho está quente e/ou seco, são condições normais e não demonstra que ele está doente.
Você deve ficar atento, pois se o focinho do cão estiver sempre seco poderá ser um sintoma de algum problema de saúde. Neste caso você deve levá-lo ao veterinário o quanto antes.

6 – A boca do cão é mais limpa que a boca dos humanos

Certamente você já teve esta atitude ou já viu alguém fazendo, as pessoas tem o costume de deixar o cachorro lamber seu rosto e até mesmo à boca.
A verdade é que boca do cachorro é infestada de germes, bactérias e muitas outras coisas desagradáveis que ele pode ter adquirido durante um passeio ou até mesmo brincando com um objeto.
A sorte é que grande parte dos germes presentes na saliva do cão não causam nenhum tipo de mal aos humanos. Caso você tenha um cão saudável, com as vacinas em dia e sem vermes, um beijinho de vez em quando não será problemas, mas sem exagero.

7 – Cães enxergam em preto e branco

A visão dos cães não é como a dos humanos, mas eles enxergam algumas cores e tem muita dificuldade de distinguir outras, mas os cães não enxergam apenas em apenas em preto e branco.

8 – Cachorros comem grama quando estão doentes para provocar vômito

É natural imaginar isso porque você vê um cão comendo grama e pouco tempo depois ele vomita, mas por que os cães comem grama? Este tipo de comportamento é natural e eles fazem isso porque gostam e você pode reparar que isso não acontece com todos os cães, ou seja, alguns cães tem interesse por comê-las e outros não.
Então por que os cães vomitam? A resposta é bem simples, a grama pode irritar um pouco o estômago e com isso causar o vomito, mas você não deve proibir o seu cão de comer grama, pois ela é totalmente inofensiva.

9 – 1 ano do cachorro equivale a 7 anos humanos

Isso não pode ser afirmado com toda certeza, o cálculo pode variar muito dependo do porte de cada animal. Os cachorros de porte pequeno tem uma expectativa de vida muito maior do que os cães de porte muito grande.

10 – Adestramento não funciona com cães adultos e idosos

Definitivamente não. Certamente o adestramento de cães adultos e idosos é muito mais trabalhoso do que para os filhotes, mas este treinamento pode sim ser realizado.
O adestramento de cães idosos é complicado porque eles não possuem tanto vigor para encarar as rotinas e talvez já tenham sentidos bem menos aguçados, o treinamento com cães idosos deve ser feito com muita paciência em curtas sessões.

11 – Quando o cão abana o rabo é porque está feliz

Acho que todo mundo pensa isso, mas novamente precisamos acabar com este achismo. Os cachorros abanam o rabo por inúmeros motivos, mas normalmente é um sinal sim de alegria, mas isso pode também significar que o cão está com medo, ansioso ou agressivo.
Você jamais deve olhar para o rabo do cão, preste bem atenção a linguagem corporal completa do animal: orelhas, pelos das costas, posição da cabeça, tudo isso pode te dar a resposta exata do que ele está tentando expressar no momento.
Agora você certamente sabe muito mais sobre o comportamento e sobre as atitudes do seu animal, lembre-se que o relacionamento verdadeiro e carinhoso seu com o animal pode criar um laço de afetividade tão grande, que perceber mudanças de hábitos e temperamentos dele será muito natural.

Gatos




1. Gatos são interesseiros (ou traiçoeiros)

Ahhh, um clássico. Gatos fazem o que tiverem vontade no momento. Você pode chamar o quanto quiser que, se eles não quiserem, não vão vir. Não são obedientes como os cães, algo que irrita algumas pessoas. Sim, eles vêm correndo quando você abre aquele patê delicioso, mas quem não faria isso? Como diz Luciana: “Eles não são interesseiros, são interessantes”.

2. Gatos transmitem asma

Falso. Asma felina é diferente da asma humana. Um não transmite para o outro. Pessoas que nunca conviveram com felinos também tendem a achar que o ronronar é um chiado do pulmão, indicando que eles possuem problemas respiratórios. Trata-se apenas de um barulho que fazem quando estão relaxados e felizes.

3. Gatos não se dão bem com crianças

Grande parte dos gatos vive em um aconchego só com os pequenos – raças como maine coon e norueguês da floresta são mais dóceis. Porém, alguns bichanos, do tipo reservados, podem ser temperamentais com crianças que pesam a mão nos carinhos e brincadeiras. Mas tudo tem solução. O segredo está na socialização dos dois. Os pais devem acompanhar os primeiros contatos da criança com o pet, mostrando como manipulá-lo e explicando que os peludos também apreciam alguns momentos de paz.

4. Gatos gostam da casa e não do dono

Pergunte para qualquer gateiro: todos dirão que isso não faz sentido. “Eles gostam da casa com o dono dentro”, afirma Luciana. Os felinos são muito apegados ao ambiente físico, mas também ao dono. Após a morte do tutor, muitos entram em depressão e acabam até morrendo.

5. Gatos têm sete vidas

Hm… não. Ganharam essa fama por pularem de grandes alturas sem se machucar. Entretanto, bichanos são bastante sensíveis e necessitam de cuidados especiais. Problemas com sua parte emocional podem evoluir para doenças renais e respiratórias, entre outras. Eles somatizam questões. Já houve casos de donos que passavam pelo processo de quimioterapia e cujo gato vomitava junto.


6. Gatos com Aids felina podem passar a doença para os humanos

Assim como a Aids humana, o vírus da Aids felina, chamado FIV, ataca o sistema imunológico do pet. Entretanto, humanos não são infectados por ele. Já outros gatos podem ser contaminados através do contato com o sangue e a saliva do doente.

7. Gato preto dá azar

Gente, estamos no século XXI e não na Idade Média. Gato preto não dá azar. E pensar que tem quem ainda acredite nisso e maltrate (e até mate) os coitadinhos por causa disso.


8. Gatos são menos legais do que cachorros

Trata-se de um debate que não leva a lugar nenhum. Alguns são do time dos cachorros e outros, dos gatos. São animais diferentes e pouco comparáveis. Cada dono deve ponderar a qualidade que busca em um pet e escolher um deles. Só não vale falar mal dos felinos quando não se conhece muito sobre eles. Eu tenho gatos em casa e garanto que são umas fofuras sem fim.




Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...